10 dicas para reter os seus talentos tecnológicos

No passado dia 25 de fevereiro realizou-se mais um EncontRHo organizado pelo IIRH – Instituto de Informação em Recursos Humanos. Tendo como mote a pergunta «Como encontrar e reter os profissionais TI de que a sua empresa precisa», reuniu no Auditório Azure, no edifício da Microsoft (Lisboa) mais de 70 profissionais de recursos humanos.

Dalia Turner, diretora de recursos humanos da Microsoft, fez a abertura do evento, sublinhando como a tecnologia está a mudar a forma de trabalhar. Neste contexto, destacou ainda a importância das mudanças geracionais, sendo que para quem está agora a ingressar no mundo do trabalho a tecnologia já não é algo novo, faz parte do seu dia a dia. E a capacidade de trabalhar com tecnologia de vanguarda e poder ser criativo, assume cada vez maior importância nas escolhas de carreira.

O debate começou com a mesa redonda sobre «como e onde encontrar os profissionais de TI». Deram resposta a este desafio Cátia Monteiro, especialista RH na área das tecnologias, Mónica Rosendo, talent aquisition manager da OutSystems, e Pedro Amorim, diretor da Experis (ManpowerGroup), destacando-se os seguintes conselhos:
– abrir o leque de recrutamento às mais variadas áreas das ciências ao invés de focar demasiado nas engenharias;
– começar a interação com os estudantes logo no primeiro ano de faculdade;
– fazer employer brading;
– criar uma pool de talento;
– inovar na forma de comunicar com os millennials;
– ter maior alinhamento entre empresas e universidades.

Uma vez encontrados e recrutados os talentos na área de TI, é preciso retê-los na empresa, o que, dava a competitividade deste mercado e serem profissionais com plena empregabilidade, representa outro desafio. Filipa Larangeira, head of HR da Uniplaces, Cátia Baptista, HR manager da Feedzai, e Ana Petrucci, business unit manager da Randstad Technologies partilharam as suas perspetivas e experiências sobre esta problemática. E deixaram algumas dicas:
1. ter uma estrutura horizontal na empresa;
2. promover uma cultura de partilha e transparência, mantendo as pessoas informadas de tudo o que está a acontecer, seja bom ou menos bom;
3. mostrar preocupação com o bem-estar dos colaboradores;
4. ter um ambiente de trabalho especial;
5. ouvir as opiniões dos colaboradores e envolvê-los, quando possível, nas decisões;
6. dar-lhes propósitos;
7. ter um bom chief technology officer (CTO), disponibilizar formação que permita aos colaboradores evoluir;
8. salários competitivos e benefícios atrativos e costum made;
9. trabalho flexível que permita o work&life balance;
10. valorizar e reconhecer os colaboradores.

A encerrar o evento, Hugo Sousa, fundador da escola de código ALPHA-PPL, Inês Pina Pereira, head of people culture da WeDo Technologies, e José Paiva, co-founder da Landing.Jobs, partilharam as suas ideias sobre como se poderá inverter este cenário de escassez de profissionais de TIs.

  • Reconverter profissionais de outras áreas e criar mais empresas especializadas para o efeito;
  • Criar incentivos para os profissionais de tecnologias, como não pagar impostos no primeiro ano;
  • Pagar bolsas a estudantes estrangeiros para virem para Portugal e fazer com que já não queiram sair;
  • Alargar o âmbito da procura, valorizando o conhecimento e não só a universidade de onde se vem;
  • Fazer comunicação sexy destes cursos;
  • Tratar bem os seniores, para segurar na empresa quem sabe e pode transmitir conhecimento;
  • Comunicar com os estudantes logo no 9º ano, antes de escolherem a área que querem seguir para os ‘evangelizar’.

Foram estas algumas das soluções avançadas.

Ricardo Fortes da Costa, diretor da RHmagazine assegurou a moderação das duas primeiras mesas redondas, e Sónia Barbosa, diretora executiva da SLOT, da última. Cristina Barros, managing diretor do IIRH encerrou o evento.

Não perca na próxima edição da RHmagazine, as conclusões desta iniciativa.